Fecomércio-DF avalia positivamente o corte de 0,5 p.p. na Selic o que pode impulsionar o comércio e serviços

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF) considerou acertada a recente decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de diminuir a taxa Selic em 0,5 ponto percentual. A medida, anunciada na última quarta-feira, visa estimular o crescimento econômico, ampliar o investimento e facilitar o acesso ao crédito, elementos cruciais para a recuperação dos setores de Comércio e Serviços em um momento de desafios econômicos e desaceleração nas vendas


José Aparecido Costa Freire, presidente da Fecomércio-DF  - Foto: Pedro Santos.

"Estamos diante de um cenário que exige medidas assertivas para garantir a recuperação econômica e o desenvolvimento sustentável dos setores de Comércio e Serviços. A decisão do Copom de reduzir a Selic em 0,5 ponto percentual é um passo importante para estimular o investimento e o acesso ao crédito, elementos fundamentais na atual conjuntura", afirmou José Aparecido Costa Freire, presidente da Fecomércio-DF. 

"Contudo, é crucial que esta medida seja acompanhada de um rigoroso controle fiscal e de políticas estruturais que fortaleçam nossa economia, assegurando assim um ambiente propício para o crescimento e a geração de empregos", enfatizou Freire, destacando a necessidade de um equilíbrio entre o estímulo econômico e a responsabilidade fiscal.

A Federação enfatizou a importância de um monitoramento cuidadoso das consequências dessa redução nos juros, destacando a necessidade de que os resultados beneficiem tanto o empresariado quanto a sociedade, através da geração de empregos e do fortalecimento da atividade econômica nacional. A Fecomércio-DF também alertou para a essencialidade de políticas estruturais que promovam a competitividade e o setor produtivo, acompanhando a queda da Selic, para manter a inflação em patamares baixos sem precisar elevar a taxa de juros.

Apesar do alívio inicial trazido pelo IPCA-15 de janeiro, preocupações persistem, especialmente com o aumento nos indicadores de serviços e as implicações de novos planos governamentais de incentivo ao setor industrial, que podem afetar o controle fiscal e inflacionário.

No contexto internacional, as adversidades enfrentadas pela China e as discussões sobre a política monetária dos Estados Unidos também são observadas de perto pela Fecomércio DF, pois podem influenciar as decisões econômicas brasileiras, especialmente em relação às commodities.

A Federação defende a continuidade da redução da Selic, mas ressalta a necessidade de comprometimento do governo com uma política fiscal responsável e sustentável, para que o país possa sustentar um crescimento econômico equilibrado sem necessidade de interromper o ciclo de cortes na taxa de juros prematuramente.

Sobre a Fecomércio-DF: Atuando em prol do desenvolvimento empresarial, a Federação congrega líderes, especialistas e consultores para impulsionar o empreendedorismo no Distrito Federal, colaborando com o governo na desburocratização e modernização, e oferecendo pesquisa e conteúdo relevante para o setor.

Edilayne Martins

"Não viva para que a sua presença seja notada, mas para que a sua falta seja sentida." (Bob Marley)

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem